© Copyright  2018 por Renê Ruggeri Engenharia e Consultoria Ltda. Desenvolvido por Navii Inteligência Digital

Compatibilizar projetos pode ser fraqueza do processo

August 21, 2015

Há uma certeza generalizada no mercado AEC de que os projetos multidisciplinares de um empreendimento precisam ser compatibilizados. A cada dia essa necessidade vem se tornando mais e mais evidente e importante. Assim, são incluídos nos processos de trabalho atividades específicas para compatibilização. As modelagens do Processo de Desenvolvimento de Projeto (PDP) apresentam, quase sempre em fluxogramas representativos, momentos especiais de compatibilização. E assim, o PDP vai sendo remodelado em busca de uma nova configuração sistemática que produza melhores resultados ou otimize o desempenho.

 

A experiência tem conduzido muitos profissionais a constatar que tais momentos de compatibilização não podem ser utilizados apenas no final dos processos de produção, quando todas as disciplinas de projeto estão adiantadas nas suas concepções. Nestes casos, então, naturalmente tende-se a distribuir momentos de compatibilização ao longo do PDP. Percebe-se uma melhoria no rendimento.

 

 

A consequência imediata dessa distribuição é indicar que talvez a melhor forma de fazer a compatibilização das soluções nas diversas disciplinas seja em modo contínuo ao longo do PDP. Talvez por isso, haja uma forte impressão de que coordenar o desenvolvimento dos Projetos AEC se confunda com a própria atividade de compatibilização.

 

Contudo, ao tentar disseminar a atividade de compatibilização de forma contínua ao longo do PDP, percebe-se que tal atividade esta intimamente ligada e muito provavelmente fundamentada na efetividade da distribuição de informações entre as disciplinas. Começamos a perceber que a melhoria na distribuição de informações diminui o trabalho de compatibilização ou, no mínimo, torna-o mais simples, menos desgastante, etc.

 

A continuidade pretendida no processo de compatibilização e na distribuição de informações exige, para que seja realizada, a aproximação das equipes multidisciplinares em etapas mais iniciais do PDP, afinal, as informações a serem distribuídas surgem já nos primeiros insights criativos da equipe sobre o empreendimento. Qualquer avanço, para que seja consistentemente compatível entre as disciplinas, exige a participação (em maior ou menor grau) de cada uma delas com seus especialistas.

 

A crescente capacidade de virtualização dos empreendimentos tem tornado isso cada vez mais explícito e os profissionais começam a repensar seus processos de trabalho.

 

Enfim, percebamos que a compatibilização tende a deixar de ser um esforço concentrado agregado a alguma etapa do PDP e passar a ocorrer continuamente ao longo do processo como uma ação natural e necessária ao avanço das concepções e da comunicação das soluções. Esta é a direção para a qual aponta a modelagem do processo quando se pensa na Engenharia Integral. Mais que isso, essa integração contínua começa a se mostrar necessária não apenas entre disciplinas técnicas de Engenharia e Arquitetura, mas também no que diz respeito ao planejamento de obras, processos construtivos e até processos de aquisição de insumos.

 

A evolução do PDP, seja ela percebida pelos profissionais mais atentos ao desenvolvimento ou forçada pelas tecnologias tão cobiçadas no mercado, é condição para atingir maiores níveis de desempenho nos empreendimentos de construção civil.

 

Se hoje estamos tão focados nos processos de compatibilização é porque já vivenciamos um pequeno avanço. Digo pequeno porque já sabemos da necessidade de compatibilização há algumas (ou várias) décadas. Fico mais animado quando percebo que aos poucos a certeza dessa necessidade vem sendo substituída pela constatação de que ela deve ser contínua no PDP e não um esforço concentrado. Considerarei que vencemos uma barreira na modelagem do PDP quando começarmos a pensar na Coordenação Técnica de Projetos AEC de forma mais abrangente e consistente e não como quase sinônimo de compatibilização (como ainda ocorre em geral no mercado).

 

Um PDP evoluído tem na compatibilização apenas uma das preocupações da coordenação e provavelmente nem seja a mais importante. Afinal, se você precisa de um grande esforço de compatibilização é porque outras funções de coordenação como a distribuição efetiva de informações não está funcionando bem no processo.

 

Enfim, se necessitamos de um grande esforço de compatibilização é sinal de que já detectamos que temos um problema no processo a ser resolvido. Um bom PDP deve fluir serenamente, focado da criação de soluções cada vez mais engenhosas e integradas. O esforço de compatibilização denota a ausência do esforço prévio de integração, esse sim, uma meta estimulante, pois está fundamentada numa evolução sistemática e metodológica do PDP. A compatibilização será tão somente mais uma consequência dessa evolução.

 

Abraços

Please reload

Featured Posts

Fases e Etapas: conceitos e consequências no sistema gerencial