© Copyright  2018 por Renê Ruggeri Engenharia e Consultoria Ltda. Desenvolvido por Navii Inteligência Digital

Especificação e Descrição

May 26, 2015

Vira e mexe me vejo tentando explicar a diferença entre alguns tipos de documentos comuns em projetos de arquitetura e engenharia a algumas pessoas. Pesquisando na internet, percebi que a dificuldade em diferencia-los é mais geral do que se possa imaginar. Então, achei que seria um tema interessante. Trata-se da distinção entre um Memorial Descritivo e uma Especificação Técnica. O conceito de desempenho tomou lugar no centro do palco da construção civil por conta da Norma de Desempenho recentemente revisada (2013), o que torna o tema oportuno novamente.

 

Vou iniciar extraindo da própria internet (fonte de informações muitas vezes mal explorada pelos profissionais) definições para dois termos fundamentais ao entendimento. Abaixo estão alguns trechos do que se encontra no dicionário on line de Português, http://www.dicio.com.br.

 

1- Especificação: descrição, determinação circunstanciada.

Destaco no entendimento de especificação a palavra "determinação".

 

2- Descrição: representação pormenorizada de um objeto, de um ser, de uma paisagem etc.; (Retórica) gênero de composição escrita cuja matéria ou assunto é um quadro, uma coisa, um objeto, uma paisagem, um ser etc.; (Literatura) tipo de texto literário cuja característica principal concentra-se na representação pormenorizada da aparência exterior de algo ou de alguém.

Destaco no entendimento de descrição a palavra "representação".

 

 

Quando se redige um Memorial Descritivo, tem-se por objetivo fazer com que o leitor crie mentalmente uma representação do objeto, sistema, produto, empreendimento etc. Embora o Memorial Descritivo de um prédio ou de um dos seus subsistemas possa contar com o apoio dos demais documentos do projeto (desenhos, cálculos etc.) não é errado pensar que o ideal seria que ele prescindisse desses complementos. Ou seja, a leitura do Memorial Descritivo deveria ser suficiente para que o leitor (receptor de mensagem do memorial) obtivesse uma compreensão satisfatória do objeto descrito. Então, é preciso ser um bom redator.

 

Compreensão satisfatória é algo relativo, concordam? Qual compreensão é satisfatória ao proprietário de um empreendimento e qual é satisfatória ao construtor de um empreendimento? Pergunto isso para mostrar que, ao escrever um Memorial Descritivo, deve-se ter em mente quem é o destinatário ou quem é o público-alvo daquela mensagem. Isso é básico com comunicação: para comunicar bem vc deve conhecer bem o receptor da sua mensagem. Assim, alguns ruídos de comunicação podem ser evitados num memorial, por exemplo:

 

  • Uso de termos muito especializados que possam não ser conhecidos pelos leitores: isso vale para terminologia técnica ou para códigos de fabricantes, marcas de produtos muito específicos, modelos etc.;

  • Excesso de detalhes que pouco contribuem para o entendimento: por exemplo, para descrever a existência de um reservatório, provavelmente a espessura das paredes dele não costuma ser muito importante, ou ainda, para descrever uma estrutura de concreto não é necessário citar o fator água-cimento da mistura.

  • Explicações complexas no lugar de doses pequenas de informações: é comum que sejam construídos textos longos com muitas informações técnicas, mas o ideal é adotar textos de leitura rápida e simples para que a informação seja apropriada pelo leitor em pequenas parcelas facilmente compreensíveis e conectáveis.

 

É fundamental lembrar que o objetivo do Memorial Descritivo é fazer com que o leitor entenda como é o objeto descrito, ou seja, crie dele uma representação, uma compreensão sistêmica ou até uma abstração. Aliás, esse é um detalhe importante, deve-se focar a criação de uma compreensão global e sistêmica do empreendimento e não necessariamente aprofundada ou pormenorizada (embora seja possível pensar em memoriais itemizados o suficiente para atingir bons níveis de detalhamento).

 

 

Quanto à Especificação, o foco está na determinação de características. Reparemos que o termo "determinar" é crucial. Determinar significa "fixar com precisão" (podem procurar no dicionário). Ou seja, não há margem para variações e, se houver, os limites delas estarão bem fixados. Aqui sim, ao se especificar um reservatório deve-se determinar, por exemplo, seu volume, suas dimensões, o material do qual é constituído, a espessura das suas paredes, as características dos bocais de ligação de tubulações e instrumentos, a pressão que deve suportar etc. Na especificação, a função do reservatório no empreendimento não é uma informação primária e talvez nem seja tão necessária.

 

Podemos distinguir alguns tipos de especificação segundo alguns critérios. Assim, em relação ao que se está especificando podemos ter:

 

  • Especificações de materiais

  • Especificações de serviço

  • Especificações de equipamentos

  • Especificações de sistemas

 

Há também uma importante separação entre classes de especificações (que se aplicam a qualquer tipologia anterior):

 

  • Especificações de Características (eu costumo chamar essas especificações de determinísticas ou prescritivas): é a mais comumente encontrada e determina as características do objeto. Por exemplo: "uma bomba de 5 cv" (não são 6 cv, nem são 4 cv). Aqui, é importante determinar as características que o objetivo especificado deve ter, mas deve-se evitar o excesso que pode acabar limitando o universo de objetos capazes de atender à especificação.

  • Especificações de Desempenho: neste tipo determina-se normalmente um desempenho requerido ao objeto em relação à sua função no empreendimento. Como este tipo de especificação é menos restritivo, deve-se tomar cuidado para não deixar falhas que permitam a aplicação de algo que não atenda a uma característica importante. Por exemplo, no caso da bomba pode-se especificar "vazão de 8 m3/s e altura manométrica de 50 mca". Obviamente, apenas esses dois parâmetros não restringem características do rotor, do material, da alimentação elétrica do motor, das tubulações de entrada e saída, da potência, etc. Mas eventualmente é exatamente isso que se pretende, não restringir, mas garantir um desempenho mínimo.

 

Seria possível escrever muito mais sobre esses dois tipos de documento, mas espero que o exposto até aqui seja suficiente para mostrar que são documentos diferentes. Até podem ser reunidos em apenas um documento (papel aceita tudo), mas devemos lembrar que dificilmente se atende bem a dois senhores ao mesmo tempo. Corre-se o risco de ter um Memorial com cara de especificação ou uma Especificação com cara de memorial e nenhum dos dois com qualidade satisfatória.

 

Qualidade satisfatória é algo relativo, concordam?

 

Abraços

Please reload

Featured Posts

Desenvolvimento humano elevado a função organizacional

October 14, 2019

1/10
Please reload

Recent Posts